terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Grandes poderes e nenhuma responsabilidade




Nos dias que se seguiram, Lázaro passou a encarar seus sonhos de outra forma. Era como se quando sonhasse estivesse plenamente consciente em seu universo onírico; e quando estava acordado parecia viver num estranho torpor. As pessoas, as coisas, as cores, tudo era mais vivo no sonho de Lázaro.

E foi nos sonhos alheios que Lázaro percebeu a "utilidade" de suas novas habilidades. Após muitos dias de concentração e de fracassos, ele conseguiu entrar nos sonhos de Dona Regina, sua patroa. Na mente dela, Lázaro percebeu o quanto era desprezado e ignorado no ambiente de trabalho. Para chamar a atenção de Dona Regina - que vivia nos seus meticulosos afazares subconscientes -, Lázaro precisou transformar-se num imenso gigante, cujas mãos esmagavam tudo o que distraia sua patroa. Pegou ela na ponta de seus imensos dedos, e disse palavras de ordem. Primeiramente exigiu um salário melhor, o que veio a se concretizar num aumento coletivo de salários na empresa. Depois, tentando ser mais valorizado, exigiu vantagens específicas para si, como subir na empresa e trabalhar menos. Como resultado, ganhou uma sala exclusiva no prédio, com direito a ar condicionado, vista panorâmica e uma máquina de café expresso de última geração.

Lázaro passou a ser o chefe do setor administrativo, cargo antes ocupado por Regina - que em vinte anos de empresa, nunca teve tais regalias. Ela, a propósito, passou a ser sua secretaria por algum tempo. Mas semanas depois, foi transferida para outro setor, e Lázaro pode escolher uma bela e jovem secretária para lhe passar o café e as ligações. Quanto às responsabilidades do cargo, deixava para Dona Regina, que após seu próprio expediente, subia para a sala de Lázaro e colocava tudo em dia.

No começo, Lázaro passava longos períodos olhando pela janela, enquanto pensava nas palavras daquele velho que vivia no jardim. Pensou em retornar para visitá-lo algum dia. Mas o tempo foi passando, e a imagem do velho foi ficando cada vez mais vaga e imprecisa. As frases profundas do sábio lentamente se perdiam no mundo mundano e estéril em que vivia o rapaz. No entanto, mal sabia ele que novas surpresas o esperavam.

Um comentário:

Dió disse...

Que legal Tripa!! Não sabia dessa sua vocação! Parabéns! serei um dos leitores de suas obras! Abraço!
Diógenes